Blog de Música
23 de Janeiro de 2010

Tony de Matos
Música e Letra: Alves Coelho Filho
Cifras: Correcaminhos

 

Am7 (x0201x)
Como jurei
Dm7(9)(x5355x) E7 (0x010x)
Com verdade o amor que senti ...
Am7 (x0201x) Dm7 (xx0211)
Quantas noites em claro passei ...
E7 (0x010x) Dm7 (xx0211) E7 (0x010x)
A escrever para ti ... ...

Am7 (x0201x) A7 (x0202x)
Cartas banais ...
A#º (x1202x) Dm7 (xx0211) Bº (x2313x)
Que eram toda a razão do meu ser ...
Am7 (x0201x) E7(b9) (0xx131)
Cartas grandes, extensas, iguais ...
A13 (x02222) E5+ (0xx554)
Ao meu grande sofrer ...

A7M (x0212x)
Cartas de amor
Bm7 (x2423x) E7(9) (0xx132)
Quem as não tem ...
Bm7 (x2423x)
Cartas de amor
E7(13) (0x012x) E7(b13) (0x011x) A7M (x0212x)
Pedaços de dor, sentida de alguém
A7M (x0212x)
Cartas de amor
A#º (x1202x) Bm7 (x2423x) Bm7(b5) (x2323x)
Andorinhas, que num vaivém, levam bem
A7M (x0212x)
Saudades minhas
E7 (0x010x) A7M (x0212x)
Cartas de amor, quem as não tem

Am7 (x0201x)
Porém de ti
Dm7(9)(x5355x) E7 (0x010x)
Nem sequer uma carta de amor ...
Am7 (x0201x) Dm7 (xx0211)
Uma carta vulgar recebi ...
E7 (0x010x) Dm7 (xx0211) E7 (0x010x)
P’ra acalmar minha dor ... ...

Am7 (x0201x) A7 (x0202x)
Mas mesmo assim ...
A#º (x1202x) Dm7 (xx0211) Bº (x2313x)
Eu p’ra ti não deixei de escrever ...
Am7 (x0201x) E7(b9) (0xx131)
Pois bem sabes que tu para mim ...
A7M (x0212x) E7(#5) (0x011x)
És todo o meu viver ...

Cartas de amor...

Tony de Matos
Os primeiros anos de vida de António Maria de Matos foram passados no Porto, a sua cidade natal, onde começou muito cedo a ter uma relação especial com o meio artístico.
A companhia de teatro Desmontável Rafael de Oliveira foi o seu primeiro espaço, onde ainda muito jovem começou por desempenhar as funções de ponto. Mas foi a canção "Cartas de Amor" que acabou por celebrizá-lo quando começou a cantá-la num espaço típico existente na Rotunda da Boavista.
A partida para Lisboa mostrou-se depois essencial e, com apenas vinte anos, António Maria rumou à capital.
Após uma experiência falhada na Comissão Reguladora de Moagens de Rama, Tony decidiu-se pelo regresso ao teatro, antes de em 1948 ter cantado pela primeira vez na Emissora Nacional. Os espectáculos, que por vezes fazia em algumas esplanadas de Lisboa, chamaram a atenção para o seu talento, especialmente a Júlio Peres, um fadista da capital. Nessa mesma noite, Tony fez uma apresentação no Luso, conhecida casa de fados de Lisboa. O entusiasmo em torno da sua performance foi considerável e a contratação para aí cantar dez vezes por mês surgiu naturalmente. O sucesso das suas canções conduziram depois à gravação do seu primeiro disco, em Madrid. Entre as faixas então gravadas destacam-se "Cartas de Amor", "Serenata a Lisboa" e "Expressão".
O teatro voltou então à sua vida, desta vez no formato de revista, onde se estreou na peça "Cantigas, ó Rosa". A sua ascensão continuou e, no ano seguinte, partiu para o Brasil, e por lá ficou mais de seis meses, onde colaborou com nomes como Paulo Gracindo ou Doris Monteiro e deu vários espectáculos. As saudades de terras lusas foram, no entanto, mais fortes. Regressado a Portugal, foi contratado por Igrejas Caeiro para o programa de rádio "O Comboio das Seis e Meia".
Mas quis o destino e alguns problemas com a censura que o programa terminasse, o que o levou a partir novamente, desta vez para Angola. A passagem pela então colónia portuguesa durou cerca de dez meses, antes de regressar outra vez ao Brasil, onde permaneceu durante seis anos. Tony de Matos encontrou então e novamente o triunfo, com canções como "Só Nós Dois", "Procuro e Não Te Encontro" ou "Lado A Lado".
O êxito português conduziu a um novo regresso ao nosso país. A sua actividade no mundo do espectáculo contou também com algumas aparições no cinema, nos filmes "A Canção da Saudade", "Rapazes de Táxis" ou "O Destino Marca A Hora".
A revolução de 25 de Abril encontrou o cantor nos Estados Unidos. Na altura, Tony viu conotado o seu estilo de canção com o antigo regime, o que levou à continuação da sua estadia nos Estados Unidos, durante oito anos. O novo retorno a Lisboa conduziu a novas aparições no teatro de revista, onde foi a principal vedeta em algumas peças.
A convite de Vitorino, Tony cantou em 1985 no Coliseu dos Recreios, perante uma plateia rendida ao seu talento.
O álbum "Romântico" lançado no mercado pouco tempo depois, foi um novo êxito, e promoveu novas e triunfantes digressões no estrangeiro.
Um novo trabalho, "Cantor Latino", editado em 1988, constitui-se como o seu derradeiro disco. A triunfal carreira de Tony de Matos terminou abruptamente a 8 de Junho de 1989, quando faleceu em Lisboa (in Cotonete).

publicado por Correcaminhos às 10:13
E assim se calou a voz de Toni de Matos........mas fica para sempre em nossos ouvidos.
Gostei do que escreveste.
Intemporal
Intemporal a 20 de Abril de 2006 às 17:01
Obrigada pela visita e pelas palavras. Quanto às "tuas" cartas de amor....quem as não tem!!!!!!!!!!! Há tanto tempo que não ouvia este tema! Faz parte dos eternos. Quando se ouvem, são sempre actuais. Boa semanita
Elsita a 24 de Abril de 2006 às 17:17
Pesquisa no Blog
 
Quem Somos
CORRECAMINHOS
Blog de Música
email: correcaminhos@sapo.pt
criado em 12 de Julho de 2005
Funchal, Madeira, PORTUGAL
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
16
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30
31
últ. comentários
Tracey Ullman, no ano de 1984.
Tive uma banda de punk rock na adolescência, adora...
Ei! Preste atenção, o que você diz ser música na v...
Boa noite, o meu filho participou no casting de Ma...
Há muitos países na Eurovisão que nem sabem que Po...
Posts mais comentados
8 comentários
8 comentários
6 comentários
6 comentários